Mindfulness: Entrevista com a Psicóloga Thifanny S. Kutkiewicz

Mindfulness: Entrevista com a Psicóloga Thifanny S. Kutkiewicz

17 de maio de 2019 Sem categoria 0

Abordamos o tema Mindfulness no blog anteriormente com uma breve introdução sobre o assunto. Nesse texto, queremos aprofundar o nosso conhecimento com colaboração da Thiffanny S. Kutkiewicz.

Thiffanny é psicóloga clínica, especialista em Psicoterapia Breve e Mindfulness, campo em que vem desenvolvendo seu doutorado. Além disso, é parceira da Sensis no Programa de Mindfulness.

Nossa conversa foi esclarecedora e muito inspiradora, vale conferir!

Pergunta: O que é Mindfulness?

Resposta: Uma definição básica de Mindfulness é “estar alerta de momento a momento”, ou seja, manter nossa consciência viva, estar atento (awareness) para a realidade que se apresenta.

Adicionando dois componentes, Mindfulness é um estado ou uma capacidade de trazer a atenção ao presente, sem julgamento e com abertura à experiência. Esse tipo particular de atenção que chamamos Mindfulness reflete uma capacidade humana inata, porém pouco explorada hoje em dia. Já que vivemos em uma época cultural que nos induz a fazer múltiplas tarefas simultâneas. Por outro lado, essa qualidade de atenção pode ser (re)aprendida e treinada com o uso regular de várias técnicas e práticas específicas.

No âmbito da ciência, a prática de Mindfulness se divide em dois tipos: a prática formal, baseadas em técnicas de meditação, e a prática informal, que consiste em levar essa qualidade de atenção ao presente em atividades cotidianas.

Pergunta: Como o Mindfulness começou a fazer parte da sua vida?

Resposta: Eu sou praticante de yoga, e já era adepta à meditação quando iniciei uma pós graduação em Mindfulness pela Unifesp. Isso me proporcionou um conhecimento num nível mais técnico e científico, também possibilitando que eu aprimorasse minha prática formal e a estendesse pra minha vida pessoal e profissional.

Pergunta: Quais foram as maiores dificuldades que você encontrou no início da prática? Como e porque superou-as?

Resposta: Dificuldades vão surgir, e elas podem variar muito de pessoa pra pessoa. Talvez você sinta dor física ao meditar, ou talvez o que te atrapalhe seja um sentimento de tédio que surja.

Introduzir Mindfulness em minha vida diária envolveu uma mudança de hábito importante. E no início minha maior dificuldade era manter uma regularidade na prática diária, o que é fundamental.

No meu caso, as sensações de bem estar, clareza, paz e conexão comigo mesma – que surgiam com a prática, foi o que mais me motivou a continuar e querer praticar todos os dias. Aliás, acredito que as primeiras experiências que uma pessoa tem quando começa a praticar é que vai predizer se ela continuará praticando futuramente ou não.

Pergunta: Quais os principais benefícios que a prática do Mindfulness trouxe para você?

Resposta: Só tive benefícios. No âmbito pessoal, menos ansiedade, mais clareza dos pensamentos e sentimentos, ligados à uma sensação de paz e calma.

No âmbito profissional, efeitos como diminuição de estresse e aumento das habilidades de aconselhamento, tais como empatia e compaixão. Também mais clareza para compreender as demandas dos meus pacientes tornando esses cuidados em saúde mental mais conscientes e eficazes.

Pergunta: Quais os benefícios comprovados que a prática traz para as pessoas?

Resposta: Muito se fala sobre a prática e a importância da atenção plena em diversos âmbitos e setores da nossa vida, podendo ser aplicada em escolas, hospitais, clínicas e empresas de modo geral.

Os benefícios mais conhecidos e pesquisados de Mindfulness estão localizados na área da saúde, ligados à promoção do bem-estar e qualidade de vida, na prevenção e gerenciamento do estresse e do mal estar psicológico. E, para o tratamento de doenças e enfermidades, em especial as condições crônicas.

Pergunta: Qual a ligação do Mindfulness com o seu trabalho como Psicóloga?

Resposta: Atualmente, cada vez mais integro Mindfulness à minha prática clínica, no que se refere a uma qualidade particular de atenção plena à experiência com uma atitude de abertura, curiosidade e aceitação, para cultivar a presença terapêutica. 

Além disso, tem sido possível agregar inúmeras técnicas de Mindfulness no processo psicoterápico, ensinando explicitamente os pacientes a praticar esse tipo de meditação (psicoterapia baseada em Mindfulness).

Mindfulness e a psicologia compartilham muitos conceitos e características, como: são duas disciplinas introspectivas que visam ajudar os indivíduos a lidar com o sofrimento psicológico, contribuir com o processo de autoconhecimento e auxiliar a conscientização dos processos inconscientes a fim de tornar as pessoas “psicologicamente livres”.

Pergunta: Mindfulness é para qualquer pessoa? Para quem a prática é indicada?

Resposta: Estritamente, não há contraindicação absoluta para o uso de Mindfulness. A prática de atenção plena cultiva qualidades humanas universais e que todos podem se beneficiar.

De qualquer maneira é recomendável fazer uma avaliação clínica antes de participar de grupos terapêuticos de Mindfulness.

Pergunta: Mindfulness traz apenas boas sensações?

Resposta: Do ponto de vista científico, o estado ou traço Mindfulness está relacionado a vários indicadores da saúde física e psicológica, como, por exemplo: maior equilíbrio do sistema nervoso autônomo, níveis mais elevados de afeto positivo, satisfação com a vida, vitalidade e menores níveis de afetos negativos e outros sintomas psicopatológicos. Consequentemente, Mindfulness é útil para o tratamento de diversas doenças ou transtornos.

Existem diversos mecanismos subjacentes aos efeitos do treinamento em Mindfulness na saúde e no bem-estar que incluem: maior controle da atenção, maior consciência das experiências internas e externas, menor reatividade às mesmas experiências, e em consequência maior regulação emocional e uma maior flexibilidade psicológica.

Pergunta: O que levar em consideração quando estiver em busca de um curso?

Resposta: Procurar um profissional com uma formação adequada e uma ampla experiência no ensino de Mindfulness (individual ou em grupo) é muito importante. Porém, não basta ter conhecimentos teóricos ou formação em Mindfulness.

No meu ponto de vista, é imprescindível que o profissional pratique Mindfulness com regularidade para ser capaz de atender as demandas de forma adequada. Além disso, para trabalhar com pessoas que padecem de uma doença física ou psicológica, o profissional deverá ser um médico ou psicólogo com experiência nesse tipo de paciente. Estes seriam ao meu ver, considerações a serem levadas em conta na hora de escolher um curso ou treinamento.

Pergunta: Tem algum caso memorável de melhora de algum paciente/participante de curso que tenha te marcado?

Resposta: Estamos vivendo tempos de falta. Falta de atenção, orientação, motivação, propósito e de realização pessoal. Todos os dias posso vivenciar com pacientes e participantes se beneficiando da tranquilidade, consciência e bem-estar que a prática da atenção plena traz.

É muito gratificante cooperar e participar dos processos de mudanças importantes. Bem como ver as vidas das pessoas se tornarem mais plenas, mais conscientes e mais significativas.

Pergunta: Você tem dicas de como inserir a prática na rotina?

Resposta: Para que qualquer atividade se mantenha ao longo do tempo, ela deve ter lugar relevante em nossos valores e nosso sentido de vida. Uma das decisões mais eficazes para incluir Mindfulness em nossa vida diária é pertencer a um grupo de práticas.

Muito útil, também, é ler livros e artigos sobre o tema com periodicidade. O que contribui bastante para fidelizar a prática é a realização de retiros periódicos.

Pergunta: Qual dica ou inspiração você quer deixar para nossos leitores?

Resposta: Dentre inúmeros benefícios, a prática da atenção plena é um convite para estarmos mais despertos e inteiros para nossas próprias vidas, pois promove uma mudança da consciência e exerce uma influência poderosa sobre a saúde, o bem estar e a felicidade.

Diante desses pontos, sem dúvida o Mindfulness atende às necessidades atuais, respondendo exigências do que penso hoje ser o grande desafio do mundo atual: de estar plenamente vivo e desperto para nossas próprias vidas.

Gostou desse conteúdo? Deixe um comentário e compartilhe as suas experiências!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *