Comportamento alimentar: Entrevista com a nutricionista Fernanda Máris Furtado

Comportamento alimentar: Entrevista com a nutricionista Fernanda Máris Furtado

2 de agosto de 2019 Sem categoria 0
comportamento alimentar

Convidamos a nossa parceira da palestra “Comer Sem Culpa Nem Desculpas”, a nutricionista Fernanda Máris Furtado (CRN 4993) para uma conversa sobre o comportamento alimentar.

Fernanda é graduada pela Universidade de São Paulo – USP e tem ampla experiência em clínica, emagrecimento saudável e transtornos alimentares.

Esperamos que essas informações possam te ajudar a fazer escolhas alimentares mais conscientes no seu dia a dia!

Pergunta: Na sua visão o que é uma alimentação equilibrada?

Resposta: Equilíbrio na alimentação estende-se além de alimentos nutritivos para os sabores, as sensações que nos despertam e nas consequências desta alimentação (variedade e frequência de alimentos) em nosso organismo – saúde, disposição e bem estar.

Pergunta: Qual a relação da alimentação com nossas emoções?

Resposta: A alimentação possui uma relação direta com nossas emoções. Nos alimentamos não só por necessidades físicas, mas também para suprir necessidades emocionais – aconchego, prazer, calma, energia, etc.

Desde a amamentação, criamos vínculo entre a comida e o prazer – por isso em alguns momentos confundimos tanto fome com emoções. Por exemplo:

Se estivermos tristes, atacamos doces ou preparações que nos remetem à infância; se estivermos com tédio, abrimos a geladeira toda hora ou no trabalho aquele cafezinho; se estivermos sentindo raiva; comemos depressa, sem mastigar e depois “pesa” no estômago; dentre tantas sensações/emoções.

Pergunta: Qual a relação entre dieta balanceada para a qualidade de vida?

Resposta: Nossa qualidade de vida está diretamente ligada aos nossos hábitos – alimentação equilibrada que supra todas nossas necessidades (nutricionais, orgânicas, emocionais, sociais), hábitos de sono (reparação) e atividades físicas que propiciem o bom funcionamento de todo e nosso corpo (além da saúde e equilíbrio mental com a produção de endorfinas durante os exercícios).

Através de uma alimentação equilibrada e suficiente conseguimos energia e nutrientes específicos para toda esta demanda.

Pergunta: Você percebe alguma influência da rotina e estilo de vida na dieta das pessoas?

Resposta: Infelizmente vivemos em tempos onde a maioria das pessoas se sobrecarrega de atividades (trabalho, estudo, internet, etc.) e não investe a mesma atenção no autocuidado.

Usam a desculpa de uma rotina atribulada para não alimentar-se direito. E, com tantas ofertas de alimentos ultraprocessados – fica fácil alimentar-se rapidamente. O problema é que este tipo de alimentação, se utilizada com frequência e em quantidades exageradas – minam sua saúde.

 Atualmente, este tipo de alimento (ultraprocessado) exemplo – macarrão instantâneo, alguns fast foods, refrigerantes, alimentos ricos em corantes e conservantes – estão entre os primeiros causadores de vários tipos de cânceres.

Mas, mesmo antes de doenças de origem alimentar manifestarem-se (excesso de colesterol, triglicérides, diabetes, hipertensão, hepatopatias,etc), a queda na energia e mau funcionamento do corpo já faz com que a rotina fique ainda mais pesada e instala-se aí um círculo vicioso – não tenho tempo (prioridades) então alimento-me mal, com uma má alimentação, minha disposição cai e me sobra cada vez menos tempo.

Pergunta: A partir de que momento, devemos nos atentar para uma alimentação equilibrada? Pois, sabemos que algumas pessoas se dedicam ao assunto a partir do surgimento de doenças como pressão alta, diabetes, câncer, entre outras.

Resposta: Desde a amamentação. Cabe aos pais e família dar o exemplo para as crianças do que é uma alimentação equilibrada. O hábito alimentar se forma desde a gestação e, ele é reforçado através do dia a dia e pelos exemplos. 

Pergunta: Quais são os sinais que devemos observar em nosso corpo com relação aos impactos de uma alimentação desbalanceada?

Resposta: Os principais sinais (antes do aparecimento de doenças como falado acima) são: falta de disposição, letargia, dificuldade em concentração, lapsos de memória, aparência da pele, cabelo, unhas (sem brilho, queda, descamação), dificuldades do sono (excesso ou falta), mau funcionamento do intestino – entre outras.

Pergunta: Por que muitas pessoas encontram dificuldade em manter uma alimentação balanceada em longo prazo?

Resposta: Primeiro precisamos desmitificar a ideia de alimentos “saudáveis” e “não saudáveis”. De que alimentação balanceada é composta somente por “alimentos saudáveis”. Perder o medo que criamos de certos alimentos através do terrorismo nutricional – do pode ou não pode.

Acredito que a dificuldade em manter uma alimentação equilibrada venha daí – pois as pessoas acreditam que não podem comer certos tipos de alimentos. Quando comem sentem-se culpadas e com a sensação de que colocaram tudo a perder.

Não existe nenhum alimento isolado que engorde e nenhum que emagreça. Nenhum alimento causará doenças se ingerido da forma e frequência adequada. Tudo depende do que comemos, como comemos, quanto comemos e com que frequência comemos. Desta forma é que se estabelece uma alimentação balanceada – com nutrientes, sabores, texturas, prazer e consciência.

Pergunta: Quais são os perigos de fazer os “regimes” que encontramos em revistas, aplicativos e internet?

Resposta: Estes tipos de orientações são generalizados – sem observar as necessidades e hábitos de vida de cada um. Infelizmente, como advento de tantas propostas milagrosas muitas pessoas iludem-se com resultados rápidos e provocam alterações muitas vezes irreversíveis em seu metabolismo.

Frequentemente, atendo pessoas que já fizeram vários e encontram-se agora no “efeito sanfona”, com doenças associadas – principalmente diabetes tipo 2 e,  a partir desta nova realidade torna-se mais difícil a correção dos hábitos e a obtenção dos resultados esperados.

Pergunta: O que significa comportamento alimentar?

Resposta: “Comportamento alimentar” e “hábito alimentar” têm definições diferentes para as áreas de Alimentação e Nutrição.

Ao se referir a hábitos alimentares, fala-se da relação do consumo e da ingestão dos alimentos, já o comportamento se relaciona com os aspectos psicológicos do indivíduo.

Além disso, o comportamento alimentar abrange o contexto sociocultural, subjetivo e individual, consciente e inconsciente, enquanto o hábito alimentar é feito por repetições e pode ser alterado com mais facilidade. 

Pergunta: Como a escolha consciente está relacionada ao comportamento alimentar?

Resposta: Para facilitar escolhas conscientes como forma de melhorar seu comportamento alimentar – o primeiro passo é o Planejamento de suas refeições.

Planejar e organizar para ter em casa alimentos nutritivos e não ter aqueles que você já sabe que tem compulsão. Exemplo: Decido comer mais vegetais em forma de saladas e refogados, mas se ao abrir a geladeira eu não encontrar – vou arrumar a desculpa para sabotar esta decisão.

No mesmo raciocínio – se quero reduzir o consumo de alimentos ultraprocessados e mantenho na despensa biscoitos recheados e afins – a possibilidade de comê-los é maior do que se não os tivesse.

Pergunta: Qual o principal foco da palestra Comer Sem Culpa e Sem Desculpas?

Resposta: Ajudar as pessoas a fazerem as pazes com a comida de verdade. Perder o medo de alimentar-se, desfazer mitos que tanto nos prejudicam. Mostrar que podemos, sim, comer de tudo – desde que na quantidade, frequência e da forma correta.

Pergunta: Quais são algumas das técnicas que você traz em sua palestra?

Resposta: Utilizo técnicas de Mindfull Eating para estimular o comer consciente, o comer com atenção e foco plenos no momento – o que sabidamente aumenta a saciedade e as chances de escolhas conscientes.

Pergunta: Você tem alguma orientação especial para os leitores do blog?

Resposta: Faça as pazes com a comida e com o seu corpo!!! Evite a obesidade intelectual e o excesso de informações (muitas vezes desencontradas e divergentes). Escolha a saúde.

Cada pessoa tem seu biotipo e ritmo de vida – não existe certo e errado. Busque o equilíbrio, o bem estar – a perda de peso será consequência.

Gostou desse conteúdo? Compartilhe as suas experiências! E se houver dúvidas sobre o tema, entre em contato com a Sensis.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *