Ansiedade: Quando Deixa De Ser Natural

Ansiedade: Quando Deixa De Ser Natural

8 de março de 2019 Sem categoria 0

Pesquisas afirmam que aproximadamente 9,3% da população brasileira convive com a ansiedade diariamente. Nesse texto vamos explicar sua origem, seus impactos e traremos algumas dicas para te ajudar.

A ansiedade está cada vez mais presente na vida das pessoas. O dia-a-dia está repleto de cobranças dentro e fora do ambiente de trabalho. Diante dos desafios diários muitas vezes encontramos dificuldades em desconectar das mídias sociais, aproveitar momentos de lazer, lidar com notícias ruins, administrar problemas profissionais, fazer escolhas de carreira, concentrar em apenas uma atividade por vez, dormir, relaxar, socializar, gerenciar pressões, controlar emoções, entre outros fatores.

Porém como lidar com todas as questões? Decidimos compartilhar algumas dicas para você entender sobre o tema e iniciar um processo de autoconhecimento para controlar a ansiedade.

Na prática o que é ansiedade?

A ansiedade é uma reação natural e comum ao medo que nos permite precaver acontecimentos e evitar dores e sofrimentos. Nosso corpo está programado para responder a estímulos de estresse.

O estresse pode ser resumido como um conjunto de reações fisiológicas que normalmente ocorrem quando existe a necessidade de adaptação de forma extrema, ou em situações importantes.

Os sintomas emocionais frequentes são alterações de humor, distúrbios de pensamentos, dificuldade de concentração, tensão, nervosismo e insônias. E além destes, existem os sintomas físicos como: alteração respiratória, alteração no ritmo cardíaco e na circulação sanguínea, baixa imunidade, perda de apetite, descontrole da resposta urinária.

Nosso corpo tem um mecanismo ativo para reagir a situações de perigo extremo, liberando uma série de hormônios que nos ajudam a tomar ações mais condizentes com o momento. Isso era muito útil, por exemplo, quando o ser humano tinha que fugir de um animal ou outro perigo extremo de sobrevivência.

O problema é que a vida moderna nos expõe a diversos estímulos e desafios. São tantas metas, objetivos e questões da vida pessoal e profissional que nosso organismo acaba entendendo que está constantemente em perigo.

Qual o impacto direto na sociedade?

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a ansiedade é o mal do século XXI. O Brasil é o primeiro no ranking mundial devido a altas taxas de incidência e prevalência – 18,6 milhões de casos registrados – a ansiedade pode até ser considerada uma epidemia. Mas qual o motivo para números tão alarmantes?

Como comentamos anteriormente pressões diárias que vivemos acabam causando estresse e ansiedade. Porém algumas questões como instabilidade econômica, mudanças constantes no ambiente de trabalho, excesso de demandas, alta exigência social, alto índice de desemprego, falta de segurança pública, desastres, acidentes ambientais e convívio direto com pessoas estressadas, podem contribuir para o desenvolvimento desta condição e impactar diretamente o nível de ansiedade da população.

Isso significa que todos nós estamos sujeitos a sofrer com a ansiedade e os ambientes em que circulamos tem uma grande influência sobre isso.

O ambiente corporativo pode ser um grande vilão

Diante de um mercado extremamente competitivo, muitos profissionais enfrentam dificuldades em lidar com excesso de pressão, com o medo da perda do emprego e/ou com o acirramento de competição interna. Como resultado: inúmeros casos de ansiedade.

De acordo com dados apresentados pelo INSS, transtornos mentais ou comportamentais, como episódios depressivos e transtornos ansiosos afastaram em torno de 72,3 mil trabalhadores em 2017.

Ou seja, a ansiedade é prejudicial para a empresa e para os profissionais. Aliás, requer mudança de comportamento de ambos os lados. Empresas precisam repensar o modo de produção de trabalho, as estratégias do negócio, o excesso de tarefas, políticas de reconhecimento e a cultura interna como um todo.

Ao mesmo tempo, funcionários precisam estar conscientes de seus desenvolvimentos, ambições e propósitos. Dessa maneira, estarão mais preparados para entenderem quais desafios fazem sentido para suas carreiras, vidas e qual tipo de cultura empresarial faz mais sentido para seu momento de vida.

O que eu posso fazer para controlar a ansiedade, na prática?

Preocupação excessiva e medo desproporcional podem prejudicar a saúde física e psicológica a curto, médio e longo prazo. É possível notar sintomas emocionais como alterações de humor, distúrbios de pensamentos, dificuldade de concentração, tensão, nervosismo e insônias. Já os sintomas físicos são alteração respiratória, alteração no ritmo cardíaco e na circulação sanguínea, baixa imunidade, perda de apetite, descontrole da resposta urinária.

A ansiedade é um transtorno. Porém, pelo fato de não ser encarada como doença, muitas pessoas demoram anos para procurar auxílio de profissionais da saúde. Vale ficar atento, pois o quadro pode desencadear outras enfermidades.

Alguns exemplos são: transtorno de ansiedade generalizada (TAG), depressão, transtorno do pânico, ansiedade social, dependência química, condições físicas crônicas, transtornos obsessivo-compulsivo (TOC), entre outras.

É importante se conscientizar sobre o seu processo e antes de tudo se conhecer. Para começar separamos 3 dicas básicas que podem te ajudar no dia a dia.

  1. Pratique o autocuidado: O controle da ansiedade começa com o autocuidado. Você é a pessoa mais importante no seu processo e isso não é egoísmo, é responsabilidade. Se observe, tente entender quais são os momentos e situações que estão te deixando mais ansioso. Muitas vezes manter um diário em que você anote seus pensamentos e sentimentos, sem censura, pode ser o início de um processo de autoconhecimento e um primeiro passo de cura.
  2. Busque por atividades que te tragam satisfação: Exercícios físicos, meditação, cuidar da alimentação, exercer atividades voluntárias e praticar hobbies podem ser ótimas maneiras de ter mais tempo para você mesmo. Além disso, essas atividades podem te ajudar a tirar a mente de problemas e situações de estresse.
  3. Procure profissionais especializados: Esse não precisa ser um caminho solitário, buscar ajuda pode ser interessante e muito corajoso. Existem diferentes profissionais que atuam em frentes distintas que podem ajudar. Coaching, Psicoterapia, Mindfulness e Terapias Alternativas podem ser opções. O interessante é buscar por alternativas que tragam resultados sustentáveis em sua vida.

Com esse texto buscamos trazer um entendimento básico sobre ansiedade e algumas dicas primárias que podem ajudar a se entender e buscar ajuda. Administrar as pressões profissionais e pessoais são tarefas desafiadoras, por isso não hesite em buscar por auxílio e conversar com alguém em que confie. 

Esperamos ter ajudado. Até o próximo!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *